Olimpíada Tóquio 2020 | Adoração a deuses, nudez e mulheres vetadas: como eram os Jogos Olímpicos na Antiguidade

Leitura obrigatória

Os primeiros jogos aconteceram em 776 a.C. e há relatos de jogos tendo sido disputados a cada quatro anos até o ano de 393 d.C — mais de mil anos depois. Atrizes recriaram cenas das olimpíadas antigas em uma cerimônia em Londres 2012
Reuters
Culto ao corpo aos atletas e a celebridades, cerimônias grandiosas de abertura e encerramento, transmissões ao vivo com milhões de telespectadores ao redor do mundo. Os Jogos Olímpicos atuais são um retrato perfeito do nosso tempo.
Mas eles são muito diferentes dos primeiros Jogos disputados na Grécia Antiga, que tinham até um cunho religioso, com homenagens a Zeus e outros deuses.
Como, então, as Olimpíadas atuais se comparam às originais? Durante a edição dos Jogos em Londres, em 2012, a BBC conversou com o historiador de Grécia Antiga Paul Cartledge para entender como eram as competições naquela época.
Os primeiros jogos aconteceram em 776 a.C. e há relatos de jogos tendo sido disputados a cada quatro anos até o ano de 393 d.C — mais de mil anos depois.
Os Jogos duravam cinco dias inteiros no século 5 a.C. Pelo menos 40 mil espectadores lotavam o estádio todos os dias no auge da popularidade dos Jogos, no século 2 d.C.
No século 19, houve um ressurgimento na Grécia de competições chamadas olimpíadas. Em 1890, o barão francês Pierre de Courbetin fundou o Comitê Olímpico Internacional, que seis anos depois organizou os primeiros jogos olímpicos da era moderna, em Atenas.
Um evento para homens nus
As antigas Olimpíadas eram apenas para os homens, no que diz respeito a competições de atletismo e esportes de combate.
As mulheres sequer eram autorizadas a assistir. No entanto, algumas podiam competir nos eventos equestres, mas só no papel de substitutas dos donos dos cavalos e das carruagens.
A primeira vitória feminina de que se tem registro foi a de uma princesa espartana.
Acredita-se que uma possível razão para a exclusão das mulheres seja o fato de que os atletas, lutadores e boxeadores tinham que competir sem roupa.
A antiga palavra grega para “exercitar-se” significava literalmente “ser inflexível pelado”, provavelmente por motivos religiosos, já que os Jogos eram uma festa de homenagem a Zeus.
Cavaleiros e condutores de carruagens usavam roupas nas competições, mas eles eram vistos como empregados, e não donos dos cavalos — que ficavam com os louros da vitória.
As provas que sobreviveram aos tempos e as que não existem mais
“Dos eventos de corrida antigos, só sobreviveram (nos Jogos Olímpicos atuais) os 200 metros rasos, os 400 metros e a prova dos 5 mil metros”, explica Cartledge.
A pista de corrida do século 4 a.C. ainda é visível na antiga cidade de Olímpia.
“Além deles, havia as provas de combate. Dessas, a luta greco-romana e o boxe sobreviveram (mas em formato diferente).”
A luta também era um dos cinco eventos do pentatlo antigo, junto com a corrida de 200 m, o arremesso de dardos, o arremesso de disco e o salto em altura.
“As antigas provas equestres, de carruagem e de corrida de mula não têm equivalentes nas Olimpíadas modernas”, diz o professor.
Também havia provas em que os atletas não competiam completamente pelados: seus corpos eram cobertos com um capacete e um protetor de canela para a corrida em armadura e para eventos equestres.
O local e o propósito dos Jogos
As antigas Olimpíadas eram um festival explicitamente religioso, dedicado à veneração da mais poderosa divindade grega, Zeus, do Monte Olimpo, a mais alta montanha grega.
Os jogos sempre eram disputados no mesmo lugar, num local remoto e de difícil acesso a pé no noroeste do Peloponeso. Os competidores e espectadores vinham não apenas da Grécia, mas de todo o mundo grego, que na época se estendia da Espanha à Geórgia.
O local dos jogos era conhecido como Olímpia, em homenagem ao título de “Olímpio” de Zeus, derivado do Monte Olimpo.
Os prêmios
A vitória já era um prêmio por si só, em teoria. Uma guirlanda simbólica de folhas de oliva, cultivadas em Olímpia, era a única recompensa, e destinada apenas ao campeão — não havia medalhas de prata ou bronze.
Mas a cidade natal de um campeão também poderia oferecer-lhe uma recompensa monetária ou o direito de fazer refeições gratuitas no centro administrativo. O campeão também podia encomendar versos a um poeta local para imortalizar a sua fama, ou pedir a um artista para esculpir uma escultura sua em bronze ou mármore — a qual seria dedicada a um deus.
Os vencedores também ganhavam em prestígio. No fim do século 4 a.C., o lutador Milo, originário do que hoje é o sul da Itália, era considerado o Usain Bolt de sua época: não só foi seis vezes campeão olímpico, como também ficou conhecido por seus dotes em carregar touros e em consumir carne.
Um evento internacional
A princípio e por muitos séculos, o evento permitia apenas a adesão de gregos, ou pan-helênicos. Na época, os “bárbaros” (não-gregos) não podiam participar.
Mas quando Roma conquistou a Grécia, no século 2 a.C., os romanos rejeitaram o título de bárbaros e exigiram o status de grego para que pudessem competir – algo que conseguiram.
Os Jogos, assim, continuaram a acontecer a cada quatro anos, até 393 d.C., quando foram banidos por um imperador romano cristão, Teodósio I, que alegava que a competição era politeísta e pagã.
Outro imperador romano que colocou à prova o espírito olímpico era Nero, morto em 68 d.C. Com ameaças e subornos, ele exigiu que o comitê pan-helênico adiasse a data das Olimpíadas por dois anos, para que o imperador pudesse combinar sua aparição na competição com seu tour imperial, em 67 d.C.
Ele caiu de sua carruagem de 16 cavalos, mas mesmo assim foi premiado com a guirlanda de oliva, dando mostras de seu poder imperial na época.
Outros fatos
O site oficial das Olimpíadas também lista outras curiosidades sobre os Jogos Olímpicos da Antiguidade:

- Advertisement -spot_img

Mais Matérias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Artigo Mais Recente

%d blogueiros gostam disto: