Conecte-se Conosco
 

Internacional

Em Pequim, funerárias e crematórios estão ocupados à medida que o COVID se espalha

Publicado

em

Trabalhadores em trajes de proteção transferem um corpo em um caixão em uma funerária, em meio ao surto de doença por coronavírus (COVID-19) em Pequim, China, 17 de dezembro de 2022. Foto: Reuters

Carros funerários carregando os mortos se alinharam na entrada de um crematório designado para COVID-19 na capital chinesa neste sábado, enquanto trabalhadores de uma dúzia de casas funerárias da cidade estavam mais ocupados do que o normal, dias depois que a China reverteu as rígidas restrições à pandemia .

Nos últimos dias, em Pequim, a disseminação da variante Omicron, altamente transmissível, afetou serviços de catering a entrega de encomendas. Casas funerárias e crematórios em toda a cidade de 22 milhões de habitantes também estão lutando para atender à demanda, à medida que mais trabalhadores e motoristas com teste positivo para coronavírus ficam doentes.

A China ainda não relatou oficialmente nenhuma morte por COVID desde 7 de dezembro, quando o país encerrou abruptamente muitos princípios-chave de sua política de COVID-zero defendida pelo presidente Xi Jinping, após protestos públicos sem precedentes contra o protocolo.

Um instituto de pesquisa com sede nos EUA disse esta semana que o país pode ter uma explosão de casos e mais de um milhão de pessoas na China podem morrer de COVID em 2023. Um aumento acentuado nas mortes testaria os esforços das autoridades para afastar a China dos testes intermináveis, bloqueios e fortes restrições de viagens e realinhar-se com um mundo que reabriu em grande parte para viver com a doença.

Na tarde de sábado, um jornalista da Reuters viu cerca de 30 carros funerários parados na entrada que leva à funerária Dongjiao, um crematório designado pela COVID em Pequim.

Estacionados entre eles estavam uma ambulância e uma carroça com um cadáver envolto em lençol no porta-malas aberto que mais tarde foi recolhido por trabalhadores em trajes de proteção e levado para uma sala preparatória para aguardar a cremação. Três das numerosas chaminés onduladas fumegavam continuamente.

A poucos metros do crematório, numa funerária, o jornalista da Reuters viu no chão cerca de 20 sacos amarelos contendo cadáveres. A Reuters não pôde estabelecer imediatamente se as mortes foram causadas pelo COVID.

O operador de segurança do estacionamento e o proprietário de uma loja de urnas no prédio da funerária, falando sob condição de anonimato, disseram à Reuters que o número de mortes estava acima da média neste período e foi maior quando comparado ao período anterior ao levantamento da maioria das restrições de pandemia em 7 de dezembro.

Trabalhadores doentes também afetaram a equipe de cerca de uma dúzia de funerárias em Pequim.

“Temos menos carros e trabalhadores agora”, disse um funcionário da Casa Funerária Miyun à Reuters por telefone, também falando sob condição de anonimato, acrescentando que havia um acúmulo crescente de demanda por serviços de cremação. “Temos muitos trabalhadores que testaram positivo.”

Não ficou imediatamente claro se a luta para atender ao aumento da demanda por cremação também se deveu a um aumento nas mortes relacionadas ao COVID.

Na funerária Huairou, um corpo foi mantido por três dias antes de ser cremado, disse um funcionário.

“Você pode transportar o corpo até aqui, tem estado ocupado recentemente”, disse o funcionário.

ACOMPANHAMENTO DE MORTES E CASOS

A autoridade de saúde da China relatou pela última vez mortes por COVID em 3 de dezembro. A capital chinesa relatou uma fatalidade pela última vez em 23 de novembro.

Trabalhadores em trajes de proteção transferem um corpo em um caixão em uma funerária, em meio ao surto de doença por coronavírus (COVID-19) em Pequim, China, 17 de dezembro de 2022. Foto: Reuters

No entanto, o respeitado canal de notícias chinês Caixin informou na sexta-feira que dois jornalistas veteranos da mídia estatal morreram após contrair o COVID-19 em Pequim, entre as primeiras mortes conhecidas desde que a China desmantelou a maioria de suas políticas de COVID-zero.

No sábado, Caixin relatou que um estudante de medicina de 23 anos em Sichuan morreu de COVID em 14 de dezembro.

Ainda assim, a Comissão Nacional de Saúde não informou no sábado nenhuma alteração em seu número oficial de mortes por COVID de 5.235 desde que a pandemia surgiu na província de Wuhan no final de 2019.

Desde o levantamento das restrições no início deste mês, a China disse à sua população de 1,4 bilhão para ficar em casa se apresentar sintomas leves, enquanto as cidades da China se preparam para as primeiras ondas de infecções.

Se as rígidas políticas de contenção tivessem sido levantadas antes, digamos em 3 de janeiro deste ano, 250.000 pessoas na China teriam morrido, disse o proeminente epidemiologista chinês Wu Zunyou no sábado.

Em 5 de dezembro, a proporção de pacientes graves ou gravemente doentes com COVID caiu para 0,18% dos casos relatados, disse Wu, de 3,32% no ano passado e 16,47% em 2020.

Isso mostra que a taxa de mortalidade da doença na China está caindo gradualmente, disse ele, sem dar mais detalhes.

Os números oficiais sobre os casos se tornaram um guia não confiável, pois menos testes estão sendo feitos em todo o país após a flexibilização das políticas de COVID-zero.

A China parou de publicar o número de casos assintomáticos a partir de quarta- feira , citando a falta de testes de PCR entre pessoas sem sintomas.

A falta de mortes por COVID relatadas oficialmente nos últimos 10 dias gerou debate nas redes sociais sobre a divulgação de dados, alimentada também pela escassez de estatísticas sobre hospitalizações e o número de doentes graves.

“Por que essas estatísticas não podem ser encontradas? O que está acontecendo? Eles não as contabilizaram ou simplesmente não as estão anunciando?” uma pessoa na mídia social chinesa perguntou.

Em Xangai, a mais de 1.000 km (620 milhas) ao sul de Pequim, as autoridades locais de educação disseram no sábado à maioria das escolas para dar aulas online a partir de segunda-feira, para lidar com o agravamento das infecções por COVID em toda a China.

Em um sinal de escassez de pessoal, o Shanghai Disney Resort disse no sábado que as ofertas de entretenimento podem ser reduzidas devido a uma força de trabalho menor, embora o parque temático ainda esteja operando normalmente.

Em um dos mercados de Natal de Xangai, no centro da cidade, havia poucos visitantes no sábado.

“Todo mundo está com muito medo”, disse um funcionário da bilheteria. Via: Reuters

Continue Lendo

Internacional

Argentina deve registrar a inflação mais alta do mundo este ano – Notícias

Publicado

em

Por



Em novembro, a instituição havia estimado que o patamar seria de 157%. A OCDE também mudou a expectativa do PIB da Argentina, a economia deve ter concentração de 2,3%, e não mais de 1,7%, como calculado da última vez. No governo há menos de dois meses, o presidente Javier Milei implementou mudanças econômicas no país, como a desvalorização do peso em 50%, além de tentar lançar um pacote de reformas, que está em votação no congresso.

Continue Lendo

Internacional

Antony Blinken desembarca no Oriente Médio para tentar acordo entre Israel e Hamas – Notícias

Publicado

em

Por



Essa é a quinta viagem do secretário de Estado Americano à região desde o início dos conflitos. Ele desembarcou na Arábia Saudita e deve visitar nesta semana o Egito, o Catar, Israel e a Cisjordânia. A Faixa de Gaza segue sob intenso bombardeio. Blinken vai propor uma trégua em troca da libertação de reféns.

Continue Lendo

Internacional

Julgamento de Daniel Alves: mulher reafirma que foi vítima de estupro em boate de Barcelona – Notícias

Publicado

em

Por



Começou, na Espanha, o julgamento do jogador Daniel Alves. No primeiro dia, a suposta vítima foi ouvida e reafirmou a acusação de estupro. A prima dela também foi ouvida e se emocionou ao lembrar quando as duas se encontraram, na saída do banheiro da boate. Daniel Alves será o último a ser ouvido. A sentença deve sair na quarta-feira (7).

Continue Lendo

Internacional

Sobe para 122 o número de mortos nos incêndios florestais no Chile

Publicado

em

Por



<img src=” /><br />
Autoridades temem que o número de vítimas possa ser ainda maior. Centenas de pessoas estão desaparecidas. Bairros inteiros foram devastados pelo fogo nas cidades costeiras de Valparaíso e Viña Del Mar, populares entre os turistas.

Continue Lendo

Internacional

Julgamento de Daniel Alves: saiba por que quantidade de testemunhas é maior na Espanha – Notícias

Publicado

em

Por



O julgamento de Daniel Alves, que iniciou nesta segunda-feira (5), na Espanha, terá vinte e oito testemunhas. O alto número impressiona, já que a diferença é grande em comparação ao Brasil, onde só é liberado oito pessoas para acusação, e oito para defesa. Advogado criminalista e professor de direito pena, Rafael Paiva afirma que a grande quantidade liberada pela justiça da Espanha é boa, e que torna provável chegar a uma verdade real sobre o crime.

Continue Lendo

Internacional

Entenda por que Daniel Alves não teria ficado preso se o crime tivesse ocorrido no Brasil – Notícias

Publicado

em

Por



Rafael Paiva, advogado criminalista e professor de direito penal, conta que existe um “problema” em relação à prisão de pessoas que estão respondendo a processos como o de Daniel Alves no Brasil. Ele comenta que existe a possibilidade de prisão preventiva, que não é muito utilizada, inclusive em casos de réus que confessam o crime.

Continue Lendo

LOCALIZAÇÃO DE PESSOAS – TEL.11 9.8721-7939

Mais Acessados