Conecte-se Conosco
 

Tecnologia

Conheça o satélite da Nasa que deve trazer detalhes inéditos sobre os oceanos

Publicado

em

Agência espacial americana lançou o PACE, satélite que deve ajudar cientistas a monitorar pela primeira vez do espaço a vida do fitoplâncton, conjunto de microrganismos que vivem no fundo do mar e absorvem gás do efeito estufa. Nasa lança satélite para pesquisas inéditas sobre oceanos e mudanças climáticas
O satélite lançado na quinta-feira (8) pela Nasa, a agência espacial americana, deve trazer detalhes inéditos para a observação dos oceanos e dos efeitos das mudanças climáticas no planeta (veja o lançamento no vídeo acima).
Batizado de PACE (siga em inglês para Plâncton, Aerossol, Nuvem, Ecossistema Oceânico), o satélite deverá ajudar cientistas a monitorar o fitoplâncton, conjunto de microrganismos que vivem no fundo dos oceanos e são a base da cadeia alimentar marítima.
A Nasa explica que acompanhar o fitoplâncton é importante porque esses pequenos organismos são essenciais para absorver o dióxido de carbono, principal gás do efeito estufa encontrado na atmosfera.
A centenas de quilômetros da Terra, o satélite também deverá indicar como a luz solar interage com as partículas microscópicas na atmosfera. Isso permite ter mais informações mais sobre características de nuvens e a qualidade do ar.
A expectativa dos cientistas é começar a obter dados em até dois meses.
O que tem de novo?
A Nasa já têm outros instrumentos de observação da Terra, mas o PACE oferecerá mais detalhes. A agência espera que ele mostre, por exemplo, como gases poluentes e cinzas vulcânicas afetam a vida de microrganismos marítimos.
“O PACE irá nos ajudar a aprender, como nunca antes, como as partículas na nossa atmosfera e nos nossos oceanos podem identificar os principais fatores que afetam o aquecimento global”, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson.
O satélite é equipado com um equipamento hiperespectral, que permite investigar os oceanos a partir de um espectro de cores que varia entre luzes ultravioleta e quase infravermelhas.
Segundo a Nasa, o equipamento permitirá que pesquisadores observem pela primeira vez a partir do espaço quais comunidades de microrganismos estão presentes em cada região do planeta com uma precisão diária.
“Os cientistas e gestores de recursos costeiros podem usar os dados para ajudar a prever a saúde de peixes, rastrear a proliferação de algas nocivas e identificar alterações no ambiente marinho”, disse a agência.
A Nasa enviou ainda dois polarímetros, instrumentos usados para identificar mudança na orientação da luz em contato com uma substância.
SpaceX fez o lançamento
O equipamento foi lançado a bordo de um foguete Falcon 9, da SpaceX, do bilionário Elon Musk, na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.
Anteriormente, o lançamento estava previsto para terça-feira (6), mas foi adiado devido às condições climáticas. O lançamento foi, então, remarcado para quarta (7), mas foi novamente remarcado por conta de “ventos terrestres” que impediram as verificações de pré-lançamento.
Após os atrasos, o lançamento foi considerado um sucesso. Segundo a Nasa, o equipamento se separou do foguete Falcon 9 e está em órbita, a 677 km da superfície da Terra.
LEIA TAMBÉM:
Por que a Nasa está apostando em empresas privadas para promover exploração na Lua
Veja como funciona o chip da empresa de Elon Musk implantado na cabeça de uma pessoa
Biohacking: como e por que seres humanos estão implantando chips no próprio corpo
Veja FOTOS do lançamento do satélite da Nasa
Técnicos da NASA e da SpaceX encapsulam com segurança a espaçonave PACE
Divulgação – Nasa
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, Ocean Ecosystem (PACE) da NASA, do Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, ocean Ecosystem (PACE) da NASA, de Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, ocean Ecosystem (PACE) da NASA, de Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper
Agência espacial americana lançou o PACE, satélite que deve ajudar cientistas a monitorar pela primeira vez do espaço a vida do fitoplâncton, conjunto de microrganismos que vivem no fundo do mar e absorvem gás do efeito estufa. Nasa lança satélite para pesquisas inéditas sobre oceanos e mudanças climáticas
O satélite lançado na quinta-feira (8) pela Nasa, a agência espacial americana, deve trazer detalhes inéditos para a observação dos oceanos e dos efeitos das mudanças climáticas no planeta (veja o lançamento no vídeo acima).
Batizado de PACE (siga em inglês para Plâncton, Aerossol, Nuvem, Ecossistema Oceânico), o satélite deverá ajudar cientistas a monitorar o fitoplâncton, conjunto de microrganismos que vivem no fundo dos oceanos e são a base da cadeia alimentar marítima.
A Nasa explica que acompanhar o fitoplâncton é importante porque esses pequenos organismos são essenciais para absorver o dióxido de carbono, principal gás do efeito estufa encontrado na atmosfera.
A centenas de quilômetros da Terra, o satélite também deverá indicar como a luz solar interage com as partículas microscópicas na atmosfera. Isso permite ter mais informações mais sobre características de nuvens e a qualidade do ar.
A expectativa dos cientistas é começar a obter dados em até dois meses.
O que tem de novo?
A Nasa já têm outros instrumentos de observação da Terra, mas o PACE oferecerá mais detalhes. A agência espera que ele mostre, por exemplo, como gases poluentes e cinzas vulcânicas afetam a vida de microrganismos marítimos.
“O PACE irá nos ajudar a aprender, como nunca antes, como as partículas na nossa atmosfera e nos nossos oceanos podem identificar os principais fatores que afetam o aquecimento global”, disse o administrador da Nasa, Bill Nelson.
O satélite é equipado com um equipamento hiperespectral, que permite investigar os oceanos a partir de um espectro de cores que varia entre luzes ultravioleta e quase infravermelhas.
Segundo a Nasa, o equipamento permitirá que pesquisadores observem pela primeira vez a partir do espaço quais comunidades de microrganismos estão presentes em cada região do planeta com uma precisão diária.
“Os cientistas e gestores de recursos costeiros podem usar os dados para ajudar a prever a saúde de peixes, rastrear a proliferação de algas nocivas e identificar alterações no ambiente marinho”, disse a agência.
A Nasa enviou ainda dois polarímetros, instrumentos usados para identificar mudança na orientação da luz em contato com uma substância.
SpaceX fez o lançamento
O equipamento foi lançado a bordo de um foguete Falcon 9, da SpaceX, do bilionário Elon Musk, na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.
Anteriormente, o lançamento estava previsto para terça-feira (6), mas foi adiado devido às condições climáticas. O lançamento foi, então, remarcado para quarta (7), mas foi novamente remarcado por conta de “ventos terrestres” que impediram as verificações de pré-lançamento.
Após os atrasos, o lançamento foi considerado um sucesso. Segundo a Nasa, o equipamento se separou do foguete Falcon 9 e está em órbita, a 677 km da superfície da Terra.
LEIA TAMBÉM:
Por que a Nasa está apostando em empresas privadas para promover exploração na Lua
Veja como funciona o chip da empresa de Elon Musk implantado na cabeça de uma pessoa
Biohacking: como e por que seres humanos estão implantando chips no próprio corpo
Veja FOTOS do lançamento do satélite da Nasa
Técnicos da NASA e da SpaceX encapsulam com segurança a espaçonave PACE
Divulgação – Nasa
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, Ocean Ecosystem (PACE) da NASA, do Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, ocean Ecosystem (PACE) da NASA, de Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper
Um foguete SpaceX Falcon 9 decola com a espaçonave Plankton, Aerosol, Cloud, ocean Ecosystem (PACE) da NASA, de Cabo Canaveral
REUTERS/Joe Skipper 

Continue Lendo

Tecnologia

Vestido que muda de cor: roupa digital altera o visual com um toque

Publicado

em

Por

Modelo foi usado em desfile na semana da moda em Nova York. Animação também é ativada usando sensores de movimento. Vestido que muda de cor: roupa digital desenvolvida pela Adobe altera o visual com toque
Se arrepender do visual e poder mudar a cor ou estampa da sua roupa apenas com um toque: é isso que faz o vestido digital que participou das passarelas da semana da moda de Nova York, que aconteceu de 9 a 14 de fevereiro. Confira no vídeo acima.
O vestido foi lançado em outubro do ano passado pela Adobe, dona do Photoshop.
Na primeira apresentação do vestido, Christine Dierk, uma das desenvolvedoras da tecnologia, mostrou como as animações são acionadas. Além de um botão que ativa as mudanças no vestido, ele também possui um modo que conta com sensores embutidos, permitindo que a projeção se adapte ao movimento do usuário sem nenhum comando.
Para as passarelas, houve ainda uma novidade: a imagem projetada pode ficar repetindo em looping, poupando o usuário de gerenciar a animação enquanto caminha.
E não para por aí: as telas, que foram costuradas primeiramente apenas na frente do vestido, agora já podem ser usadas em uma versão 360°, ou seja, também atrás.
Roupa digital desenvolvida pela Adobe muda o visual com um toque
Divulgação / Adobe
Para conseguir mudar de cor, o vestido possui mais de mil pétalas em forma de lantejoulas, costuradas à mão e conectadas como telas em miniaturas, para a projeção em conjunto.
Leia também:
Azul e preto ou branco e dourado? Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica e é motivo de estudos
Usar emoji de berinjela para paquerar não pega bem, diz pesquisa
Como o vestido foi desenvolvido?
O modelo que desfilou, desenhado por Christian Cowan, é uma evolução do vestido do projeto Primrose, desenvolvido pelos cientistas da empresa, o engenheiro pesquisador TJ Rhodes, a pesquisadora Christine Dierk e o vice-presidente, membro e chefe de pesquisa da Adobe Gavin Miller.
O maior desafio para Miller e Rhodes foi a criação de eletrônicos adequados para roupas, que tivesse como característica ser leve, flexível, durável e seguro para a pele.
Miller, que já tinha experiência em robótica, explica que o vestido é como uma versão gigante dos circuitos que ela usa em robôs. “Tivemos que usar materiais especiais para janelas inteligentes e projetar a lógica dos interruptores em um chip que fosse fino, flexível e robusto o suficiente para funcionar”, disse Miller em divulgação da Adobe.
A equipe teve ainda que criar uma tela 2D para testar o circuito considerando dobras e flexões, uma vez que a pessoa que usa o vestido irá se mexer.
Depois, foi criada ainda uma bolsa, antes de retomarem os testes em vestido.
Saiba também:
Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica
Musk mostra robô da Tesla dobrando camiseta
Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião
Modelo foi usado em desfile na semana da moda em Nova York. Animação também é ativada usando sensores de movimento. Vestido que muda de cor: roupa digital desenvolvida pela Adobe altera o visual com toque
Se arrepender do visual e poder mudar a cor ou estampa da sua roupa apenas com um toque: é isso que faz o vestido digital que participou das passarelas da semana da moda de Nova York, que aconteceu de 9 a 14 de fevereiro. Confira no vídeo acima.
O vestido foi lançado em outubro do ano passado pela Adobe, dona do Photoshop.
Na primeira apresentação do vestido, Christine Dierk, uma das desenvolvedoras da tecnologia, mostrou como as animações são acionadas. Além de um botão que ativa as mudanças no vestido, ele também possui um modo que conta com sensores embutidos, permitindo que a projeção se adapte ao movimento do usuário sem nenhum comando.
Para as passarelas, houve ainda uma novidade: a imagem projetada pode ficar repetindo em looping, poupando o usuário de gerenciar a animação enquanto caminha.
E não para por aí: as telas, que foram costuradas primeiramente apenas na frente do vestido, agora já podem ser usadas em uma versão 360°, ou seja, também atrás.
Roupa digital desenvolvida pela Adobe muda o visual com um toque
Divulgação / Adobe
Para conseguir mudar de cor, o vestido possui mais de mil pétalas em forma de lantejoulas, costuradas à mão e conectadas como telas em miniaturas, para a projeção em conjunto.
Leia também:
Azul e preto ou branco e dourado? Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica e é motivo de estudos
Usar emoji de berinjela para paquerar não pega bem, diz pesquisa
Como o vestido foi desenvolvido?
O modelo que desfilou, desenhado por Christian Cowan, é uma evolução do vestido do projeto Primrose, desenvolvido pelos cientistas da empresa, o engenheiro pesquisador TJ Rhodes, a pesquisadora Christine Dierk e o vice-presidente, membro e chefe de pesquisa da Adobe Gavin Miller.
O maior desafio para Miller e Rhodes foi a criação de eletrônicos adequados para roupas, que tivesse como característica ser leve, flexível, durável e seguro para a pele.
Miller, que já tinha experiência em robótica, explica que o vestido é como uma versão gigante dos circuitos que ela usa em robôs. “Tivemos que usar materiais especiais para janelas inteligentes e projetar a lógica dos interruptores em um chip que fosse fino, flexível e robusto o suficiente para funcionar”, disse Miller em divulgação da Adobe.
A equipe teve ainda que criar uma tela 2D para testar o circuito considerando dobras e flexões, uma vez que a pessoa que usa o vestido irá se mexer.
Depois, foi criada ainda uma bolsa, antes de retomarem os testes em vestido.
Saiba também:
Quase 10 anos depois, vestido que viralizou continua gerando polêmica
Musk mostra robô da Tesla dobrando camiseta
Saiba se está sendo vigiado: veja sinais um celular infectado com aplicativo espião 

Continue Lendo

Educação

Aplicativo promete revolucionar a saúde bucal

Publicado

em

Por

Foto: Miguel Carvalho

Dispositivo tem a capacidade de identificar precocemente a existência de cáries

Estudantes do curso de Ciência da Computação da UNINASSAU Rio de Janeiro estão alcançando progressos notáveis na área da saúde bucal por meio do desenvolvimento de um protótipo inovador de escova de dentes inteligente. Esse dispositivo tem a capacidade de identificar precocemente a existência de possíveis cáries dentárias, representando um avanço significativo no campo da Odontologia. O projeto, atualmente em fase de testes, promete transformar a forma como as pessoas cuidam de seu bem-estar bucal, oferecendo alertas instantâneos e a opção de marcar consultas com cirurgiões-dentistas quando necessário.

O grupo de pesquisa, especializado em Internet das Coisas, se dedicou à criação de uma escova dental equipada com uma tecnologia avançada. Esta inovação está na capacidade do objeto de identificar manchas nos dentes, indicando potenciais cáries incipientes, graças à incorporação de uma câmera no cabo do instrumento. “Iniciativas como essa são de muita importância para impulsionar a pesquisa interdisciplinar, pois conseguem estreitar a ligação entre ciência e saúde.

De acordo com Miguel Carvalho, coordenador do curso de Ciência da Computação na unidade, a operação do dispositivo é simples e eficaz. Quando a escova detecta manchas suspeitas nos dentes, ela envia um alerta para um aplicativo no smartphone do usuário. Ele oferece a possibilidade de agendar uma consulta com um dentista próximo, priorizando a atenção odontológica preventiva para evitar complicações futuras. Miguel destaca que essa abordagem reflete o propósito da educação tecnológica: formar profissionais capacitados para transformar vidas e a sociedade.

Cássio Luiz ressaltou a importância dessa ideia. “Estamos entusiasmados com os resultados iniciais do nosso protótipo e acreditamos que no potencial dele de revolucionar os cuidados bucais, melhorando a saúde dos pacientes. A integração com a Inteligência Artificial pode transformar a prevenção odontológica, o que é emocionante para uma melhora na qualidade de vida”. Matheus Parreira, também aluno, já participou de outras idealizações e enxerga a potencialidade dessa iniciativa. “Já tive experiência com um projeto para ajudar animais e estou bastante empolgado com esse novo avanço.

Michele Melo, coordenadora acadêmica da unidade, afirma que o plano da escova de dentes inteligente é um exemplo notável de como a UNINASSAU está comprometida em promover inovações que impactam positivamente a sociedade, unindo o conhecimento acadêmico com avanços tecnológicos. “A equipe de cientistas está firmemente empenhada em aperfeiçoar continuamente o projeto, trazer uma solução eficaz para o mercado e tornar a detecção precoce de cáries dentárias mais acessível e conveniente para todos”.

Via: Leticia Porat

Continue Lendo

Tecnologia

Por que pouso de nave de empresa americana na Lua é considerado ‘histórico’

Publicado

em

Por

A Intuitive Machines conseguiu fazer o primeiro pouso lunar de uma espaçonave construída por uma empresa privada. Ilustração representa módulo da Intuitive Machines na Lua
DIVULGAÇÃO/INTUITIVE MACHINES
Uma companhia americana fez história nesta quinta-feira (22) ao se tornar a primeira empresa comercial a colocar uma nave na superfície da Lua.
A Intuitive Machines, com sede em Houston, pousou seu módulo Odysseus perto do polo sul lunar.
Demorou alguns minutos para os controladores confirmarem que o módulo tinha pousado, mas eventualmente um sinal foi recebido.
“O que podemos confirmar, sem dúvida, é que o nosso equipamento está na superfície da Lua e que estamos com transmissão”, anunciou o diretor de voo, Tim Crain.
Os funcionários da empresa aplaudiram e se emocionaram com a notícia.
Foi um momento importante não apenas para a exploração comercial do espaço mas para o programa espacial dos EUA em geral.
A Intuitive Machines quebrou a ausência de meio século dos Estados Unidos na superfície da Lua.
É preciso voltar à última missão Apollo, em 1972, para lembrar da ocasião mais recente em que um equipamento americano se aproximou suavemente do solo lunar.
Funcionários ligados à missão ficaram apreensivos durante o trajeto até a Lua
GETTY IMAGES
A agência espacial norte-americana Nasa comprou espaço no Odysseus para seis instrumentos científicos, e o seu administrador, Bill Nelson, rapidamente parabenizou o que descreveu como um “triunfo”.
“Os EUA voltaram à Lua”, disse ele. “Hoje, pela primeira vez na história da humanidade, uma empresa comercial, uma empresa americana, lançou e liderou uma missão até lá. Hoje é o dia que mostra o poder e a o potencial das parcerias comerciais da Nasa.”
O Odysseus pousou às 23h23 GMT (20h23 em Brasília). A princípio, não houve nenhum sinal de confirmação do robô, e os controladores tiveram que esperar vários minutos até captar um — e ele estava fraco.
Os engenheiros analisarão nas próximas horas precisamente o que aconteceu — e vão verificar também se o Odysseus está de pé coletando energia adequadamente através de suas células solares.
Funcionários explodiram de alegria quando o sinal de confirmação chegou
GETTY IMAGES
O local de pouso planejado era um terreno cheio de crateras próximo a um complexo montanhoso de 5 km de altura conhecido como Malapert. É o ponto mais ao sul da Lua já visitado por uma nave.
Uma investigação importante por parte da Nasa será a análise do comportamento da poeira lunar, que os astronautas da Apollo consideraram um sério incômodo, por arranhar e obstruir os equipamentos.
Entre os seis equipamentos apoiados pela Nasa está um sistema de câmeras da Universidade Aeronáutica Embry-Riddle que teoricamente deveria ter se soltado do Odysseus quando este ainda estava a 30 metros da superfície lunar.
O sistema foi projetado para tirar fotos enquanto o módulo pousava.
O artista americano Jeff Koons também anexou uma caixa na lateral do módulo de pouso contendo 125 pequenas bolas de aço inoxidável para representar as diferentes fases da Lua ao longo de um mês.
EUA voltam à Lua após pouso de sonda de empresa privada
EUA voltam à Lua após pouso de sonda de empresa privada
Veja momento da decolagem
SpaceX lança sonda lunar de empresa privada
A Intuitive Machines conseguiu fazer o primeiro pouso lunar de uma espaçonave construída por uma empresa privada. Ilustração representa módulo da Intuitive Machines na Lua
DIVULGAÇÃO/INTUITIVE MACHINES
Uma companhia americana fez história nesta quinta-feira (22) ao se tornar a primeira empresa comercial a colocar uma nave na superfície da Lua.
A Intuitive Machines, com sede em Houston, pousou seu módulo Odysseus perto do polo sul lunar.
Demorou alguns minutos para os controladores confirmarem que o módulo tinha pousado, mas eventualmente um sinal foi recebido.
“O que podemos confirmar, sem dúvida, é que o nosso equipamento está na superfície da Lua e que estamos com transmissão”, anunciou o diretor de voo, Tim Crain.
Os funcionários da empresa aplaudiram e se emocionaram com a notícia.
Foi um momento importante não apenas para a exploração comercial do espaço mas para o programa espacial dos EUA em geral.
A Intuitive Machines quebrou a ausência de meio século dos Estados Unidos na superfície da Lua.
É preciso voltar à última missão Apollo, em 1972, para lembrar da ocasião mais recente em que um equipamento americano se aproximou suavemente do solo lunar.
Funcionários ligados à missão ficaram apreensivos durante o trajeto até a Lua
GETTY IMAGES
A agência espacial norte-americana Nasa comprou espaço no Odysseus para seis instrumentos científicos, e o seu administrador, Bill Nelson, rapidamente parabenizou o que descreveu como um “triunfo”.
“Os EUA voltaram à Lua”, disse ele. “Hoje, pela primeira vez na história da humanidade, uma empresa comercial, uma empresa americana, lançou e liderou uma missão até lá. Hoje é o dia que mostra o poder e a o potencial das parcerias comerciais da Nasa.”
O Odysseus pousou às 23h23 GMT (20h23 em Brasília). A princípio, não houve nenhum sinal de confirmação do robô, e os controladores tiveram que esperar vários minutos até captar um — e ele estava fraco.
Os engenheiros analisarão nas próximas horas precisamente o que aconteceu — e vão verificar também se o Odysseus está de pé coletando energia adequadamente através de suas células solares.
Funcionários explodiram de alegria quando o sinal de confirmação chegou
GETTY IMAGES
O local de pouso planejado era um terreno cheio de crateras próximo a um complexo montanhoso de 5 km de altura conhecido como Malapert. É o ponto mais ao sul da Lua já visitado por uma nave.
Uma investigação importante por parte da Nasa será a análise do comportamento da poeira lunar, que os astronautas da Apollo consideraram um sério incômodo, por arranhar e obstruir os equipamentos.
Entre os seis equipamentos apoiados pela Nasa está um sistema de câmeras da Universidade Aeronáutica Embry-Riddle que teoricamente deveria ter se soltado do Odysseus quando este ainda estava a 30 metros da superfície lunar.
O sistema foi projetado para tirar fotos enquanto o módulo pousava.
O artista americano Jeff Koons também anexou uma caixa na lateral do módulo de pouso contendo 125 pequenas bolas de aço inoxidável para representar as diferentes fases da Lua ao longo de um mês.
EUA voltam à Lua após pouso de sonda de empresa privada
EUA voltam à Lua após pouso de sonda de empresa privada
Veja momento da decolagem
SpaceX lança sonda lunar de empresa privada 

Continue Lendo

Tecnologia

Como recuperar conta do Instagram após esquecer a senha

Publicado

em

Por

Usuários precisam pedir um código de acesso para ser enviado ao e-mail cadastrado no perfil ou pelo número de celular. Como recuperar conta no Instagram
Mourizal Zativa/Unsplash
Esquecer a senha do Instagram é algo bem comum, mas nem todo mundo sabe como recuperar o perfil com uma nova chave de acesso.
Para ter de volta a conta da rede social em caso perda de senha ou provável exclusão, é necessário pedir um código de acesso para ser enviado ao e-mail cadastrado no perfil ou pelo número de celular. Para isso, basta seguir o passo a passo abaixo.
Na tela inicial de login, clique em “Esqueceu a senha?” ou “Obter ajuda para entrar”;
Digite o seu nome de usuário, e-mail ou número de telefone;
Clique em “Enviar link para login”;
Aperte “Avançar” para confirmar o envio.
Um link de acesso será enviado para o e-mail ou por SMS no celular para redefinir a senha e reconectar a conta.
Além disso, existe a possibilidade de recuperar a conta no Instagram clicando na opção “Entrar com o Facebook”, que também aparece na tela de login. Esta opção serve para quem vinculou as contas nas redes sociais da Meta.
LEIA TAMBÉM:
Como recuperar contas excluídas e hackeadas no Instagram
Celular pode ser aliado para descobrir câmeras em quartos; veja como se proteger
OpenAI, dona do ChatGPT, lança modelo de IA que cria vídeos realistas a partir de textos
Os bastidores, as estratégias e a rotina de quem ganha a vida vendendo vídeos de sexo
Crianças e adolescentes no Brasil recebem conteúdo sexual na internet
Usuários precisam pedir um código de acesso para ser enviado ao e-mail cadastrado no perfil ou pelo número de celular. Como recuperar conta no Instagram
Mourizal Zativa/Unsplash
Esquecer a senha do Instagram é algo bem comum, mas nem todo mundo sabe como recuperar o perfil com uma nova chave de acesso.
Para ter de volta a conta da rede social em caso perda de senha ou provável exclusão, é necessário pedir um código de acesso para ser enviado ao e-mail cadastrado no perfil ou pelo número de celular. Para isso, basta seguir o passo a passo abaixo.
Na tela inicial de login, clique em “Esqueceu a senha?” ou “Obter ajuda para entrar”;
Digite o seu nome de usuário, e-mail ou número de telefone;
Clique em “Enviar link para login”;
Aperte “Avançar” para confirmar o envio.
Um link de acesso será enviado para o e-mail ou por SMS no celular para redefinir a senha e reconectar a conta.
Além disso, existe a possibilidade de recuperar a conta no Instagram clicando na opção “Entrar com o Facebook”, que também aparece na tela de login. Esta opção serve para quem vinculou as contas nas redes sociais da Meta.
LEIA TAMBÉM:
Como recuperar contas excluídas e hackeadas no Instagram
Celular pode ser aliado para descobrir câmeras em quartos; veja como se proteger
OpenAI, dona do ChatGPT, lança modelo de IA que cria vídeos realistas a partir de textos
Os bastidores, as estratégias e a rotina de quem ganha a vida vendendo vídeos de sexo
Crianças e adolescentes no Brasil recebem conteúdo sexual na internet 

Continue Lendo

Tecnologia

Reddit registra pedido de IPO nos Estados Unidos

Publicado

em

Por

Empresa protocolou documento na comissão de valores mobiliários norte-americana para começar a negociar suas ações na bolsa de valores de Nova York (NYSE). Logo do Reddit.
Dado Ruvic/ Reuters

A plataforma de fóruns de discussões Reddit entrou, nesta quinta-feira (22), com um pedido para a sua oferta pública inicial de ações (IPO) na SEC, a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana.
A empresa deve estrear na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês).
De acordo com o prospecto (documento que reúne uma série de informações sobre a companhia e sobre o motivo de sua abertura de capital) da empresa, a oferta será de ações classe A (ordinárias, com direito a voto). O número de papéis a serem ofertados ainda não foi divulgado.
Segundo o documento, os bancos Morgan Stanley, Goldman Sachs, J.P. Morgan, Bank of America (BofA) Securities, Deutsche Bank, MUFG e Citigroup estão entre os subscritores do IPO.
O pedido ocorre quase duas décadas após o lançamento do Reddit e será um grande teste para a plataforma — que ainda fica atrás de outras redes sociais como o X (antigo Twitter) e o Facebook.
Em 2021, a empresa já havia sido avaliada em cerca de US$ 10 bilhões (R$ 49,42 bilhões) em uma rodada de investimentos. O documento, no entanto, não deixa claro qual o montante que a empresa deve buscar com a sua oferta de ações.
Segundo a Reuters, o Reddit fechou um acordo com o Google para disponibilizar seu conteúdo para treinar seus modelos de inteligência artificial nos mecanismos de busca. O contrato valeria cerca de US$ 60 milhões (R$ 296,5 milhões) por ano.
Prejuízos em 2022 e 2023
No documento divulgado nesta quinta-feira (22), o Reddit ainda informou que registrou um prejuízo de US$ 158,6 milhões (R$ 783,8 milhões) em 2022 e de US$ 90,8 milhões (R$ 448,7 milhões) em 2023.
Apesar do resultado negativo, a empresa também reportou um crescimento de 21% das receitas no ano passado, para US$ 804 milhões (R$ 3,97 bilhões) — em 2022, as receitas da plataforma somavam US$ 666,7 milhões (R$ 3,3 bilhões).
Segundo a empresa, a área comercial é uma vertente de crescimento que surgiu de “forma orgânica” na plataforma e que “novos mercados comunitários já surgiram especificamente para fins comerciais” dentro do Reddit.
“Queremos desenvolver esta economia impulsionada pelo usuário no Reddit, fornecendo aos nossos usuários e criadores as ferramentas e incentivos necessários para impulsionar a criação, melhoras e comércio contínuos”, disse a empresa no documento.
O resultado operacional, também conhecido como EBITDA (sigla para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), do Reddit foi negativo em US$ 69,3 milhões (R$ 342,5 milhões) no final de 2023. Em 2022, esse prejuízo havia sido de US$ 108,4 milhões (R$ 535,7 milhões).
* Com informações da Reuters
Empresa protocolou documento na comissão de valores mobiliários norte-americana para começar a negociar suas ações na bolsa de valores de Nova York (NYSE). Logo do Reddit.
Dado Ruvic/ Reuters

A plataforma de fóruns de discussões Reddit entrou, nesta quinta-feira (22), com um pedido para a sua oferta pública inicial de ações (IPO) na SEC, a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana.
A empresa deve estrear na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês).
De acordo com o prospecto (documento que reúne uma série de informações sobre a companhia e sobre o motivo de sua abertura de capital) da empresa, a oferta será de ações classe A (ordinárias, com direito a voto). O número de papéis a serem ofertados ainda não foi divulgado.
Segundo o documento, os bancos Morgan Stanley, Goldman Sachs, J.P. Morgan, Bank of America (BofA) Securities, Deutsche Bank, MUFG e Citigroup estão entre os subscritores do IPO.
O pedido ocorre quase duas décadas após o lançamento do Reddit e será um grande teste para a plataforma — que ainda fica atrás de outras redes sociais como o X (antigo Twitter) e o Facebook.
Em 2021, a empresa já havia sido avaliada em cerca de US$ 10 bilhões (R$ 49,42 bilhões) em uma rodada de investimentos. O documento, no entanto, não deixa claro qual o montante que a empresa deve buscar com a sua oferta de ações.
Segundo a Reuters, o Reddit fechou um acordo com o Google para disponibilizar seu conteúdo para treinar seus modelos de inteligência artificial nos mecanismos de busca. O contrato valeria cerca de US$ 60 milhões (R$ 296,5 milhões) por ano.
Prejuízos em 2022 e 2023
No documento divulgado nesta quinta-feira (22), o Reddit ainda informou que registrou um prejuízo de US$ 158,6 milhões (R$ 783,8 milhões) em 2022 e de US$ 90,8 milhões (R$ 448,7 milhões) em 2023.
Apesar do resultado negativo, a empresa também reportou um crescimento de 21% das receitas no ano passado, para US$ 804 milhões (R$ 3,97 bilhões) — em 2022, as receitas da plataforma somavam US$ 666,7 milhões (R$ 3,3 bilhões).
Segundo a empresa, a área comercial é uma vertente de crescimento que surgiu de “forma orgânica” na plataforma e que “novos mercados comunitários já surgiram especificamente para fins comerciais” dentro do Reddit.
“Queremos desenvolver esta economia impulsionada pelo usuário no Reddit, fornecendo aos nossos usuários e criadores as ferramentas e incentivos necessários para impulsionar a criação, melhoras e comércio contínuos”, disse a empresa no documento.
O resultado operacional, também conhecido como EBITDA (sigla para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), do Reddit foi negativo em US$ 69,3 milhões (R$ 342,5 milhões) no final de 2023. Em 2022, esse prejuízo havia sido de US$ 108,4 milhões (R$ 535,7 milhões).
* Com informações da Reuters 

Continue Lendo

Tecnologia

Apple é condenada pela Justiça do RJ a pagar R$ 3,2 mil a cliente por venda de iPhone sem carregador

Publicado

em

Por

A 18ª Câmara de Direito Privado entendeu que houve ‘venda casada’ e determinou o pagamento de R$ 3 mil de danos morais, além dos R$ 219 do carregador comprado. Carregador: item não é vendido junto com o telefone da Apple
Thiago Lavado/g1
Um consumidor do Rio que comprou um iPhone ganhou na Justiça um processo contra a Apple por venda casada – prática proibida por lei.
Por unanimidade, desembargadores da 18ª Câmara de Direito Privado decidiram que a companhia pague R$ 3.219 a Matheus dos Santos Pagorim Abreu, por danos morais e materiais.
Matheus pagou quase R$ 5 mil pelo iPhone e mais R$ 219 pelo carregador – que não vem com o telefone. Ele alegou que o telefone não funciona sem carregador e, portanto, foi obrigado a comprar – o que configura a venda casada.
“O acessório afigura-se essencial ao uso do bem principal, acarretando ofensa patrimonial e desvio produtivo passíveis de indenização”, escreveu, em seu voto, o desembargador Cláudio de Mello Tavares, relator do caso.
O que diz a Apple
A empresa ainda pode recorrer. Procurada pelo g1, a Apple afirmou que não vai comentar.
No processo, a defesa da empresa alegou que a informação de que o carregador não está incluído no produto é exibida de maneira “clara e adequada” e que o carregador da própria Apple não é essencial.
Segundo a empresa, “os consumidores podem utilizar diversas formas para carregar os seus celulares, como carregadores portáteis, adaptadores veiculares, tomadas de parede com entrada USB, carregadores por indução ou, ainda adaptadores de tomada que os consumidores já possuam, dos mais diversos fabricantes”.
A Apple argumentou ainda que a medida de não incluir os carregadores desestimula “a proliferação de fontes energéticas” e, portanto, está de acordo com a “legislação ambiental”.
A 18ª Câmara de Direito Privado entendeu que houve ‘venda casada’ e determinou o pagamento de R$ 3 mil de danos morais, além dos R$ 219 do carregador comprado. Carregador: item não é vendido junto com o telefone da Apple
Thiago Lavado/g1
Um consumidor do Rio que comprou um iPhone ganhou na Justiça um processo contra a Apple por venda casada – prática proibida por lei.
Por unanimidade, desembargadores da 18ª Câmara de Direito Privado decidiram que a companhia pague R$ 3.219 a Matheus dos Santos Pagorim Abreu, por danos morais e materiais.
Matheus pagou quase R$ 5 mil pelo iPhone e mais R$ 219 pelo carregador – que não vem com o telefone. Ele alegou que o telefone não funciona sem carregador e, portanto, foi obrigado a comprar – o que configura a venda casada.
“O acessório afigura-se essencial ao uso do bem principal, acarretando ofensa patrimonial e desvio produtivo passíveis de indenização”, escreveu, em seu voto, o desembargador Cláudio de Mello Tavares, relator do caso.
O que diz a Apple
A empresa ainda pode recorrer. Procurada pelo g1, a Apple afirmou que não vai comentar.
No processo, a defesa da empresa alegou que a informação de que o carregador não está incluído no produto é exibida de maneira “clara e adequada” e que o carregador da própria Apple não é essencial.
Segundo a empresa, “os consumidores podem utilizar diversas formas para carregar os seus celulares, como carregadores portáteis, adaptadores veiculares, tomadas de parede com entrada USB, carregadores por indução ou, ainda adaptadores de tomada que os consumidores já possuam, dos mais diversos fabricantes”.
A Apple argumentou ainda que a medida de não incluir os carregadores desestimula “a proliferação de fontes energéticas” e, portanto, está de acordo com a “legislação ambiental”. 

Continue Lendo

LOCALIZAÇÃO DE PESSOAS – TEL.11 9.8721-7939

Mais Acessados